Satélites Astronômicos


Desde os anos 1940, observações astronômicas escapando da atmosfera terrestre começaram a ser realizadas através de observações com instrumentos instalados em foguetes.

Swift
  • Missões de Raios Gama (E>512 keV, λ<0,02 Å): As explosões de raios-γ, que ocorrem aproximadamente uma vez por dia, são as mais energéticas explosões depois do Big-Bang, emitindoflashes intensos mas curtos de radiação.Têmduraçãodepoucosmilisegundos a algumas centenas de segundos. Até agora suas origens não são conhecidas, talvez a formação de buracos negros ou colisões de estrelas de nêutrons ou anãs brancas.

    Missoes Missoes

    Explorer 11 Abril – Setembro 1961
    OSO 6 Agosto 1969 – Janeiro 1972
    Vela 5A Maio 1969 – Junho 1979
    Vela 5B Maio 1969 – Junho 1979
    OSO 5 Janeiro 1969 – Julho 1975
    OGO 5 Março 1968 – Junho 1971
    OSO 4 Outubro 1967 – Dezembro 1971
    Cosmos 163 Junho 1967
    ORS 4 Abril 1967 – Junho 1968
    OSO 3 Março 1967 – Novembro 1969
    Cosmos 135 Dezembro 1966
    Luna 12 Outubro 1966
    OGO 3 Junho 1966 – Fevereiro 1972
    Luna 10 Março – Abril 1966
    Proton 2 Novembro 1965 – Fevereiro 1966
    ORS 3 Julho – Novembro 1965
    Proton 1 Julho – Outubro 1965
    Cosmos 60 Março 1965
    OGO 1 Setembro 1964 – Novembro 1971
    Ranger 5 Outubro 1962
    OSO 1 Março 1962 – Abril 1963
    Ranger 3 Janeiro 1962
    HEAO-3 Setembro 1979 – Maio 1981
    Cosmos 1106 Junho 1979
    Prognoz 7 Outubro 1978 – Junho 1979
    Venera 12 Setembro 1978 – Abril 1980
    Venera 11 Setembro 1978 – Fevereiro 1980
    ISEE-3 Agosto 1978 – 1982
    Pioneer Venus Maio 1978 – Outubro 1992
    Prognoz 6 Setembro 1977 – Março 1978
    HEAO-1 Agosto 1977 – Janeiro 1979
    SIGNE 3 Junho 1977 – Junho 1979
    Cosmos 914 Maio – Junho 1977
    Cosmos 856 Setembro – Outubro 1976
    Solrad 11B Março – Dezembro 1976
    Solrad 11A Março 1976 – Julho 1977
    Helios 2 Janeiro 1976 – 1981
    COS-B Outubro 1975 – Abril 1982
    OSO 8 Junho 1975 – Setembro 1978
    Aryabhata Abril 1975
    Mars 5 Julho 1973 – Março 1974
    Mars 4 Julho 1973 – Fevereiro 1974
    SAS 2 Novembro 1972 – Junho 1973
    IMP 7 Setembro 1972 – Outubro 1978
    Radsat Outubro 1972 – Maio 1973
    Prognoz 2 Junho – Dezembro 1972
    Apollo 16 Abril 1972
    TD-1A Março 1972 – 1973
    Cosmos 461 Dezembro 1971
    OSO 7 Setembro 1971 – Julho 1974
    Apollo 15 Julho – Agosto 1971
    IMP 6 Março 1971 – Setembro 1972
    Vela 6A/B Abril 1970 – 1979
    Granat Dezembro 1989 – Novembro 1998
    Phobos 2 Julho 1988 – Março 1989
    Phobos 1 Julho – Setembro 1988
    DMSP 9 Fevereiro 1988 – Abril 1992
    DMSP 8 Junho 1987 – Agosto 1994
    Kvant Maio 1987 – meio dos 1990s
    Ginga Fevereiro 1987 – Novembro 1991
    Prognoz 9 Julho 1983 – Março 1984
    Venera 14 Novembro 1981 – Março 1983
    Venera 13 Outubro 1981 – Março 1983
    Solar Max Fevereiro 1980 – Dezembro 1989
    DMSP 15 Dezembro 1999 –
    DMSP 14 Abril 1997 –
    NEAR Fevereiro 1996 – Fevereiro 2001
    RXTE Dezembro 1995 –
    DMSP 13 Março 1995 –
    Wind Novembro 1994 –
    DMSP 12 Agosto 1994 –
    Mars Observer Setembro 1992 – Agosto 1993
    EURECA Agosto 1992 – Julho 1993
    SROSS 3 Maio – Julho 1992
    DMSP 11 Novembro 1991 –
    Compton Gamma Ray Observatory Abril 1991 – Junho 2000
    DMSP 10 Dezembro 1990 – Setembro 1994
    Ulysses Outubro 1990 –
    Gamma Julho 1990 – 1992
    LEGRI Abril 1997 – Fevereiro 2002
    HETE-2 Outobro 2000 – presente
    INTEGRAL Outobro 2002 – presente
    Swift (γ, raio-X, UV e ótico de Gamma Ray Bursts) Novembro 2004 – presente
    Fermi (antigo GLAST) Junho 2008 – presente
  • Missões de Raio-X (duros: 0,02 Å>λ>10 Å, 512 keV >E> 1 keV; moles: 10 Å < λ < 100 Å) A primeira fonte extrasolar de raio-X descoberta foi a binária de raio-X Sco X-1, em 1962 por Riccardo Giacconi, com 3 contadores Geiger, lançado pelo foguete Aerobee 150. Uhuru, lançado pela NASA em 1970, observou 161 fontes de 2 a 20 keV, 1 a 2000 contagens/s, principalmente a emissão do buraco negro estelar Cygnus X-1, que era a segunda fonte no voo de 1962 e foi confirmado em 1964, com outro voo por foguete. Tem um fluxo pico de 2,3×1023 Wm-2Hz-1 (2,3×103 Jansky). Mas a incerteza na posição da fonte de raio-X incluia cerca de 200 estrelasvisíveisnoPalomarSkySurvey. Einstein, em 1978, foioprimeiroimageador. Atualmente,ChandraeXMM continuam as observações. Chandra, lançado em 1999, completa com o Telescópio Espacial Hubble (óticoeUV), o Observatório de Raios-γ Compton e o Telescópio Espacial Spitzer (infra-vermelho), os quatro grandes observatórios da NASA.OChandracontémumimageadorespectrométrico e uma câmara de alta resolução. O XMM-Newton, da Agência Espacial Européia, também foi lançado em 1999, tem maior área que o Chandra, mas menor resolução, trabalhando de 0,2 keV a 12 keV. O mesmo satélite contém um telescópio ótico de 30 cm. Descobriu o cúmulo de galáxias de raio-X XMMXCS 2215-1738 a 10 bilhões de anos-luz da Terra.
    Vela 5B Maio 1969 – Junho 1979
    Vela 5A Maio 1969 – 1979
    OSO 5 Janeiro 1969 – Julho 1975
    ESRO-2B Maio – Dezembro 1968
    OGO 5 Março 1968 – Junho 1971
    OSO 4 Outubro 1967 – Dezembro 1971
    OSO 3 Março 1967 – Novembro 1969
    Ariel 6 Junho 1979 – Fevereiro 1982
    P78-1 Fevereiro 1979 – Setembro 1985
    Hakucho Fevereiro 1979 – 1984
    HEAO 2 Novembro 1978 – April 1981
    Venera 12 Setembro 1978 – April 1980
    Venera 11 Setembro 1978 – Fevereiro 1980
    ISEE-3 Agosto 1978 – 1982
    HEAO 1 Agosto 1977 – Janeiro 1979
    Apollo-Soyuz Julho 1975
    OSO 8 Junho 1975 – Setembro 1978
    SAS 3 Maio 1975 – 1979
    Aryabhata April 1975
    Salyut-4 Dezembro 1974 – Fevereiro 1977
    Ariel 5 Outubro 1974 – Março 1980
    ANS Agosto 1974 – 1976
    Skylab Julho – Agosto 1973
    Copernicus Agosto 1972 – late 1980
    TD-1A Março 1972 – 1973
    OSO 7 Setembro 1971 – Julho 1974
    Cosmos 428 Junho – Julho 1971
    Uhuru Dezembro 1970 – Março 1973
    Vela 6A & 6B April 1970 – 1979
    Granat Dezembro 1989 – Novembro 1998
    Phobos 2 Julho 1988 – Março 1989
    Phobos 1 Julho – Setembro 1988
    Kvant Maio 1987 – 2001
    Ginga Fevereiro 1987 – Novembro 1991
    Spacelab-2 Julho – Agosto 1985
    Spartan-1 Junho 1985
    Spacelab-1 Novembro – Dezembro 1983
    EXOSAT Maio 1983 – April 1986
    Astron Março 1983 – Junho 1989
    Tenma Fevereiro 1983 – late 1984
    Venera 14 Novembro 1981 – Março 1983
    Venera 13 Outubro 1981 – Março 1983
    XMM Dezembro 1999 – presente
    Chandra Agosto 1999 – presente
    Beppo SAX April 1996 – April 2002
    RXTE Dezembro 1995 –
    Wind Novembro 1994 –
    ALEXIS April 1993 –
    ASCA Fevereiro 1993 – Março 2001
    DXS Janeiro 1993
    EURECA Agosto 1992 – Julho 1993
    BBXRT Dezembro 1990
    Ulysses Outubro 1990 – presente
    ROSAT Junho 1990 – Fevereiro 1999
    Suzaku
    (Astro-E2)
    Julho 2005 – presente
  • Missões de Raios Cósmicos:
    • Advanced Composition Explorer (ACE) – Agosto 25, 1997 – presente, mede a variação da composição química com o ciclo solar. Um dos resultados recentes foi a demonstração que parte significativa dos raios cósmicos galáticos provêm de estrelas Wolf-Rayet, isto é, estrelas de alta massa.
    • Solar Anomalous and Magnetospheric Particle Explorer (SAMPEX) – Julho 3, 1992 – presente, estuda a energia, composição e carga das partículas emitidas em explosões de supernovas, flares solares e do meio interestelar.
  • Missões Ultravioleta (900 a 3000 Å) e Óticas:
  • Missões Infravermelhas:
    • IRAS, lançado em 1983 e cuja refrigeração com He líquido durou 300 dias, mapeou o céu em 12, 24, 60 e 100 μm, detectando 1 milhão de fontes,
    • Submillimeter Wave Astronomy Satellite (SWAS), lançado em 5 de dezembro de 1998, observou até 21 de julho de 2004, e em 2005, por três meses,emapoioaosatéliteDeepImpact que colidiu com o cometa P/Tempel 1 em 4 de julho de 2005. Estudou a composição química das nuvens de gás interestelar,
      • Água (H2O) em 556,936 GHz
      • Oxigênio Molecular (O2) em 487,249 GHz
      • Carbono Neutro (CI) em 492,161 GHz
      • Monóxido de carbono isotópico (13CO) em 550,927 GHz
      • Água isotópica (H218O) em 548,676 GHz
    • Spitzer, lançado em 2003, com 85 cm de diâmetro, em honra a Lyman Spitzer Jr. (1914-1997), o primeiro astrônomo a propor colocar um telescópio no espaço, em 1946. Tem um tanque de He líquido para manter os instrumentos a 1,4 K, mas este já acabou. Detectou minerais, como carbono amorfo e silicatos cristalinos, gelo de água e olivina em torno da anã branca pulsante G 29-38, demonstrando que a nuvem de poeira em torno da estrela foi provavelmente formada pela destruição de um asteróide.
    • Herschel, da NASA/ESA, lançado em Maio 14, 2009, com 3,5 m de diâmetro, faz observações no infravermelho e submilimétrico, a partir do ponto lagrangeano número 2, a 1,5 milhões de km da Terra. Os instrumentos são: PACS, uma câmera e espectrômetro de média resolução, sensível entre 60 e 210 microns, SPIRE, uma câmera e espectrômetro sensível entre 200 e 650 microns, e HIFI, um espectrômetro de altíssima resolução sensível entre 157 e 625 microns.
    • SofiaStratospheric Observatory for Infrared Astronomy (SOFIA), é um telescópio de 2,5  de diâmetro montado em um Boeing 747, iniciou suas observações em 2010. É uma atualização do Kuiper Airborne Observatory que voou de 1971 a 1995, e transportava um cassegrain de 91,5 cm, com um detector de 1 a 500 μm.
    • James Webb Space Telescope, o sucessor do Telescópio Espacial Hubble, com 6,5 m de diâmetro, deverá ser lançado em 2018.
  • Missões em Microondas para estudar a Radiação de Fundo do Universo:
  • Missões solares, têm o objetivo de estudar o Sol e seus efeitos sobre a Terra:
    • Solar and Heliospheric Observatory (SOHO), lançado em 2 de dezembro de 1995, é uma colaboração NASA e ESA, para estudar desde o interior até a coroa externa. Tem um coronógrafo e já permitiu a descoberta de vários cometas e já registrou muitas ejeções coronais de massa.
    • Transition Region And Coronal Explorer (TRACE), lançado em 1 de abril de 1998,
    • Reuven Ramaty High Energy Solar Spectroscopic Imager (RHESSI) lançado em 5 de fevereiro de 2002,
    • Solar Mass Ejection Imager (SMEI) lançado em 6 de janeiro de 2003.
    • Hinode (Solar B), lançada em 23 de setembro de 2006, colaboração de Japão, Estados Unidos, Reino Unido e Europa, para investigar a interação entre o campo magnético solar e a coroa, inclui um telewscópio óptico solar com resolução de 0,2″, um telescópio de raio-X e um espectrômetro e imageador de ultravioleta extremo.
    • CMESolar TErrestrial RElations Observatory (STEREO), lançada em 25 de outubro de 2006, é composta de dois satélites para capturar imagens tri-dimensionais do Sol, observou a primeira ejeção coronal de massa deste ciclo, em 5 de maio de 2009, mostrada na imagem em 1950Å.
    • Ulysses Mission, foi lançado em 6 de outubro de 1990, em um projeto internacional para estudar os polos do Sol e o espaço interestrelar acima e abaixo dos polos. Usou Júpiter para uma ajuda pela gravidade para sair fora do plano eclíptico e seguir em direcção aos polos solares. A passagem por Júpiter ocorreu em 8 de Fevereiro de 1992. A primeira passagem pelos polos solares ocorreu em Junho de 1994. A nave espacial passou o equador solar em Fevereiro de 1995 e passou acima do polo norte em Junho de 1995.
  • Missõesdebuscadeplanetasextrasolareseasterosismologia:
    • MOST, lançado em 30 de junho de 2003, canadense, com 15 cm de diâmetro, total de 60 kg, com dois CCD com transferência de carga 1024×1024 píxeis, para asterosismologia de estrelas brilhantes, já observou mais de 24 estrelas por vários meses, detectando pulsações muiltiperódicas.
    • COROT, lançado em dezembro 2006,
      Corot Transito
      Lançamento do satélite COROT (COnvecção, ROtação e Trânsitos planetários), uma colaboração França-Áustria-Alemanha-Espanha-Brasil, com um telescópio de 27 cm e campo de 2,8°×2,8° com 4 CCDs, para detectar exoplanetas por trânsitos e fazer sismologia estelar, foi lançado em 27.12.2006.
      Corot transitos Corot sismologia
      Já detectou trânsitos em mais de 31 estrelas, e 7 planetas com mais de uma órbita detectados, inclusive o COROT-Exo-7b, com 2 raios terrestres, temperatura da ordem de 1000 a 1500 K, período orbita de 20 horas, e limite syperior de massa de 21 massas terrestres (Alain Léger et al. 2009, Astronomy & Astrophysics. Também já detectou pulsações não radiais em mais de dez estrelas gigantes, mas tem agora só um canal funcionando.
    • O satélite Kepler foi lançado em 6 de março de 2009. Um foguete Delta II levou o satélite da NASA Kepler, cuja missão é procurar por planetas tipo terrestres orbitando na zona habitável de outras estrelas. A zona habitável é aquela com temperatura que permite a existência de água líquida. O satélite detectará a pequena redução no brilho da estrela quando um planeta passa na frente dela. O telescópio tem umespelho primário de 1,4 m de diâmetro, com uma abertura efetiva de 0,95m. Conta com 42 CCDs, cada um com 2200×1024 pixeis, cobrindo um campo de 10°×10°, e observará 100 mil estrelas de magnitudes 9 a 16 durante 3,5 anos. Ele poderá detectar um trânsito de um planeta como a Terra para estrelas (variação de 1/12000) mais brilhantes que magnitude 12. A variabilidade intrínseca do Sol é da ordem de 1/100 000).
    • BRITE: Lançado em 25 de fevereiro de 2013, os dois satélites BRITE, com telescópios de 7-cm, lente f/2.3 e campo de 24° × 19°, conectados a CCDs Kodak KAI-11002, vão estudar a variabilidade de estrelas mais brilhantes que magnitude=4.
  • Missões de estudo do sistema solar (em ordem cronológica):
    Data de Lançamento Nome País Resultado Razão
    1960 Korabl 4 USSR (sobrevoo) Falhou Não chegou a órbita da Terra
    1960 Korabl 5 USSR (sobrevoo) Falhou Não chegou a órbita da Terra
    1962 Korabl 11 USSR (sobrevoo) Falhou Entrou em órbita da Terra e partiu-se
    1962 Mars 1 USSR (sobrevoo) Falhou Falha no rádio
    1962 Korabl 13 USSR (sobrevoo) Falhou Entrou em órbita da Terra e partiu-se
    1964 Mariner 3 US (sobrevoo) Falhou Capa não foi ejetada
    1964 Mariner 4 US (sobrevoo) Sucesso Retornou 21 images
    1964 Zond 2 USSR (sobrevoo) Falhou Falha no rádio
    1969 Mars 1969A USSR Falhou Falha no veículo de lançamento
    1969 Mars 1969B USSR Falhou Falha no veículo de lançamento
    1969 Mariner 6 US (sobrevoo) Sucesso Retornou 75 imagens
    1969 Mariner 7 US (sobrevoo) Sucesso Retornou 126 imagens
    1971 Mariner 8 US Falhou Falha no lançamento
    1971 Kosmos 419 USSR Falhou Só entrou em órbita da Terra
    1971 Mars 2 Orbiter/Lander USSR Falhou Satélite orbital chegou, mas não obteve nenhum dado útil, e lander foi destruído
    1971 Mars 3 Orbiter/Lander USSR Sucesso Satélite orbital obteve aproximadamente 8 meses de dados e lander desceu com segurança, mas obteve somente 20 segundos de dados
    1971 Mariner 9 US Sucesso Retornou 7329 imagens
    1973 Mars 4 USSR Falhou Pasou de Marte
    1973 Mars 5 USSR Sucesso Retornou 60 imagens; durou só 9 dias
    1973 Mars 6 Orbiter/Lander USSR Sucesso/Falhou Experimento de ocultação obteve dados, mas Lander falho na descida
    1973 Mars 7 Lander USSR Falhou Não entrou em órbita de Marte, e orbita o Sol.
    1975 Viking 1 Orbiter/Lander US Sucesso Localizou o lugar de descida para Lander e primeira descida com sucesso em Marte
    1975 Viking 2 Orbiter/Lander US Sucesso Retornou 16 000 imagens e muitos dados atmosféricos data e de solo
    1988 Phobos 1 Orbiter USSR Falhou Perdida em rota a Marte
    1988 Phobos 2 Orbiter/Lander USSR Falhou Perdida próximo a Phobos
    1992 Mars Observer US Falhou Perdida antes da chegada a Marte
    1996 Mars Global Surveyor US Sucesso Mais imagens do que todas as outras missões
    1996 Mars 96 USSR Falhou Falha no lançamento
    1996 Mars Pathfinder US Sucesso Experimento tecnológico durando 5 vezes mais do que a garantia
    1998 Nozomi Japan Falhou Não entrou em órbita, por problemas com combustível
    1998 Mars Climate Orbiter US Falhou Perdido na chegada
    1999 Mars Polar Lander US Falhou Perdido na chegada
    1999 Deep Space 2 Probes (2) US Falhou Perdido na chegada (levava Mars Polar Lander)
    2001 Mars Odyssey US Sucesso Imagens de alta resolução de Marte
    2003 Mars Express Orbiter/Beagle 2 Lander ESA Sucesso/Falhou Satélite orbital ainda obtendo imagens de Marte, mas parte que desceria foi perdido na chegada ao planeta
    2003 Mars Exploration Rover – Spirit US Sucesso Tempo de operação mais de 15 vezes a garantia original
    2003 Mars Exploration Rover – Opportunity US Sucesso Tempo de operação mais de 15 vezes a garantia original
    2005 Mars Reconnaissance Orbiter US Sucesso Retornou mais de 26 terabits de dadas (mais do que todas as outras missões combinadas)
    2007 Phoenix Mars Lander US Sucesso Retornou mais de 25 gigabits de dados
    • Apolo 8, primeira a orbitar a Lua, em 21 de dezembro de 1968, Apolo 11, primeira a pousar na Lua em 16 de julho de 1969, a Apolo 17, a última a pousar na Lua, em 7 de dezembro de 1972.
    • Deep Impact, explorou o 9P/Cometa Tempel 1, lançando um projétil que chocou-se com este em 4 de julho de 2005, formando um enorme jato de alto brilho.
    • Galileo, lançada em 18 de outubro de 1989, explorou Júpiter desde que entrou em sua órbita em 1995 e 14 anos depois, em 21 de setembro de 2003, desintegrou-se em sua atmosfera.
    • Genesis, busca as origens da vida. Lançada em 8 de agosto de 2001, retornou a Terra em 8 de setembro de 2004, com partículas de vento solar capturadas em gel.
    • Imager for Magnetopause-to-Aurora Global Exploration (IMAGE), lançada em 25 de março de 2000, estudou a resposta da magnosfera da Terra às mudanças no vento solar.
    • Mars Global Surveyor, depois de estudar Marte por 4× mais do que planejado originalmente, a bateria acabou.
    • Mars Pathfinder, foi a primeira missão a colocar um robo independente na superfície de Marte. Última transmissão de dados em 27 de setembro de 1997.
    • Mercury: o primeira missão tripulada do programa espacial americano em 20 de fevereiro de 1962, levou John Glenn ao espaço.
    • Orbiting Carbon Observatory: missão dedicada e estudar o dióxido de carbono, o mais importante gás de efeito estufa produzido pelo homem, que está causando as mudanças climáticas na Terra, falho no lançamento.
    • Phoenix Mars Lander: lançada em 4 de agosto de 2007, procurou condições de vida no ártico marciano, até novembro de 2008, quando o inverno marciano terminou com a energia dos painéis solares.
    • Pioneer: missão que estudou o sistema planetário, especialmente Júpiter e Saturno, e está além dele. Pioneer 10 foi lançada em 2 de março de 1972. Pioneer 11 em Abril 5, 1973.
    • Pioneer Venus, teve como objetivo estudar o vento solar atingindo Vênus, mapear sua superfície e estudar sua alta atmosfera. Foi lançada em 20 de maio de 1978.
    • Skylab: a primeira estação espacial e laboratório científico orbital americano.
    • Viking para determianr se vida existiu em Marte.
    • EPOXI: missão para estudar cometas e sistemas planetários extrasolares.
    • Hayabusa (MUSES-C): missão japonesa para retornar uma amostra de um asteróide.
    • IBEX: primeira missão para realizar observações da região além do choque terminal na região mais externa do sistema solar.
    • LCROSS: missão para determinar a existência de água em uma cratera sempre na sombra, no polo sul da Lua. LRO: Lunar Reconnaissance Orbiter: missão para caracterizar o campo de radiação e localizar sítios para alunisagem seguros.
    • Mars Express: lançada em 2 de junho de 2003, missão para procurar água sob a superfície de Marte, através de medidas em órbita. A Beagle 2, que pousaria, foi perdida na descida. A missão foi extendida até 2006.
    • Mars Exploration Rovers: lançados em 10 de junho e 7 de julho de 2003, Spiritos veículos exploradores robóticos Spirit e Opportunity exploram a superfície de Marte.
    • Mars Odyssey: missão para mapear a mineralogia e morfologia da superfície de Marte, através de medidas em órbita.
    • Mars Reconnaissance Orbiter: lançada em 12 de agosto de 2005, com missão de determinar se grandes corpos de água existiram em Marte, entrou em órbita de Marte em 10 de março de 2006 e deve operar até dezembro de 2010.
    • Mercury, Surface, Space Environment, Geochemistry and Ranging (MESSENGER) Mission: lançada em 3 de agosto de 2004 para estudar Mercúrio. Em 29 de setembro de 2009 passará por Mercúrio pela terceira vez, para desacelerar e entrar em órbita de Mercúrio em 2011.
    • New Horizons: lançada em 19 de janeiro de 2006, está em viagem pelo sistema solar para estudar Plutão e seus satélites, e depois continuar para estudar os objetos do Cinturão de Kuiper.
    • Pioneer Venus: tinha como objetivo investigar o vento solar em Vênus, mapear a superfície do planeta e sua alta atmosfera.
    • Rosetta: lançada em 2 de março de 2004, para se encontrar e orbitar o cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko em 2014 e o acompanhará na viagem deste ao Sol, colocando uma sonda na superfície, já vem estudando asteróides de perto.
    • SMART 1: missão em duas partes para explorar, pela primeira vez, a regiões escuras do polo sul da Lua. Foi lançada em 27 de setembro de 2003 e terminou sua missão com um impacto na Lua em 3 de setembro de 2006.
    • Venus Express – Expresso Vênus da ESA: Lançada em 9 de novembro de 2005, entrou na atmosfera de Vênus em 11 de abril de 2006, para estudar a atmosfera e superfície do planeta. Tem fim de missão previsto para dezembro de 2009.
    • Stardust: retornou amostras do cometa Wild 2 à Terra.
    • Wind Mission: Missão Vento para estudar o vento solar e seu impacto sobre a região próxima da Terra.

Os dados das missões:

  • ASTRO -ASTROObservatory, voou entre 2 e 11 de dezembro de 1990 noônibusespacialColumbia, e entre 2 e 18 de março de 1995, noônibusespacialEndeavour, com três experimentos ultravioleta:
    • HUT – Hopkins Ultraviolet Explorer,
    • UIT – Ultraviolet Imaging Telescope, e
    • WUPPE – Wisconsin Ultraviolet Photo-Polarimeter Experiment
  • Copernicus – também conhecido como Orbiting Astronomical Observatory 3 (OAO-3),
  • EUVE – Extreme Ultraviolet Explorer,
  • FUSE – Far Ultraviolet Spectrographic Explorer
  • GALEX – Galaxy Evolution Explorer
  • HPOL – Halfwave Spectropolarimeter
  • HST – Hubble Space Telescope, lançado em 1990 e operando até o presente, após quatro missões de renovação (upgrade) dos instrumentos.
  • IUE – International Ultraviolet Explorer
  • ORFEUS -OrbitingRetrievableFarand ExtremeUltraviolet Spectrometers-SPAS, voou com o ônibus espacial em 1993 e 1996, levando o
    • BEFS – Berkeley Extreme and Far-UV Spectrometer, e o
    • TUES – Tübingen Ultraviolet Echelle Spectrometer.
  • IMAPS – Interstellar Medium Absorption Profile Spectrograph
  • VLA-FIRST Very Large Array – Faint Images of the Radio Sky at Twenty-cm
  • XMM-OM Xray Multi-Mirror Telescope – Optical Monitor data

estão disponíveis no Arquivo multimissão do Instituto do Telescópio Espacial (MAST) e no Observatório Virtual.

  • Laser Interferometer Space Antena (LISA), para detectar ondas gravitacionais, consiste de três satélites idênticos, orbitando o Sol e formando um triângulo equilateral de 5 milhões de km de lado. Os protótipos serão lançados em 2011.

FONTE: Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS

Créditos: Kepler de Souza Oliveira Filho

© Os textos, gráficos e imagens desta página têm registro: ISBN 85-7025-540-3 (2000), ISBN 85-904457-1-2 (2004), ISBN 978-85-7861-187-3 (2013), e só podem ser copiados integralmente, incluindo o nome dos autores em cada página. Nenhum uso comercial deste material é permitido, sujeito às penalidades previstas em lei.
© Kepler de Souza Oliveira Filho & Maria de Fátima Oliveira Saraiva

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s